domingo, 21 de julho de 2013

Cuidando da aparência após a chegada do bebê

Você passou nove meses ganhando peso, vendo seu corpo se modificar totalmente, comprando roupas confortáveis e passando por um turbilhão de emoções. Depois do parto é bem provável que você passe meses só cuidando do bebê e deixe em segundo plano as próprias necessidades. Tudo normal! Opsss.... mas e você? Quando a mãe voltará a ser mulher novamente? Quem já foi mãe sabe como é difícil retomar a vida normal após a chegada de um filho, mas é preciso seguir.


Digamos que você tenha direito a uma licença de seis meses, nesse tempo sua dedicação será quase que exclusiva ao seu bebê, amamentação, enxoval, vacinas..., nem dormir direito não é possível nessa fase. Após esse período é preciso planejar a volta ao trabalho, revisar o guarda-roupa, dar um trato nos cabelos, na pele, na aparência de uma forma geral.


Pelo menos com um mês de antecedência ou mais é importante fazer uma agenda de tarefas que facilitarão sua volta à ativa. Anote por ordem de prioridade e por área de interesse cada uma das tarefas que você precisa executar: cortar o cabelo, comprar roupas novas, consultas médicas, dentista, depilação e outras. Não queira dar conta de tudo de uma vez, por isso é importante planejar antes e organizar-se para cumprir as datas definidas. Se precisar de ajuda, recrute colaboradores para ficar com o bebê em alguns momentos.

Uma ajuda muito útil e que, além de não custar muito representa ganho de tempo é a contratação de consultoria de imagem e estilo. Um bom profissional auxiliará no processo de construção/reconstrução da imagem que você quer passar de acordo com os objetivos futuros (pessoais, profissionais, afetivos...). Até mesmo a escolha dos elementos que irão compor o novo visual, corte de cabelo, estilo de roupas, cores, acessórios, será mais rápida e fácil com a ajuda de um consultor. A propósito quem me ajudou foi a Siegried Pontes (www.olhardeestilo.com) e o resultado foi maravilhoso, não me canso de receber elogios.

Por último, é importante ter claro que cuidar de si mesma não significa deixar de atender às necessidades do bebê, pelo contrário, mamãe realizada também é sinônimo de bebê tranquilo e feliz! Não se culpe, viva a vida intensamente, e linda!


quarta-feira, 18 de julho de 2012

Os dentinhos do bebê

O surgimento dos primeiros dentinhos do bebê normalmente vem acompanhado de preocupações e dúvidas por parte das mães. Alguns bebês já tem dentinhos aos cinco meses, enquanto outros só por volta de um aninho, mas a demora não é motivo de preocupação. Para alguns bebês é tranquilo, sem dor e sem lágrimas, mas a chegada dos dentes pode vir acompanhada de febre, diarreia e muito choro. 

É importante ficar atenta aos sintomas, normalmente o bebê começa a babar muito e esfregar objetos para acalmar a coceira, faz um pouco de manha e chora. Se tiver febre é importante comentar com o pediatra, que recomendará um remedinho, ou não. Nada de comprar medicamentos por conta própria ou inventar receitas caseiras, o incômodo é normal. Por volta de trinta dias após o nascimento do bebê é recomendável visitar o odontopediatra para as primeiras informações sobre higiene bucal. Após o aparecimento do primeiro dente é preciso marcar nova consulta para mais informações e utilização do primeiro flúor (especial para bebês). Há no mercado escovas adequadas para a higiene nesta idade e o creme dental (se recomendado pelo dentista) é sem flúor, pois ninguém quer que o bebê tenha cárie.





Outra questão importante é que com os sintomas e o incômodo, muitos bebês não querem mais mamar. É preciso muita paciência e calma, pois a ansiedade da mãe só agrava o problema. Lembre que o bebê sabe mamar, não desaprende de uma hora para outra, se oferecer a mamadeira a recusa ao peito será ainda maior, mas também não pode deixá-lo com fome. Ofereça outras opções (se o bebê já se alimentar) ou tire o leite e ofereça em um copinho, mas sempre a primeira opção deve ser pelo peito. Outra dica é oferecer o peito quando o bebê estiver quase adormecendo, pois o instinto de sugar é mais forte que o incômodo. Se nada resolver é importante conversar com o pediatra, pois o bebê pode não querer mais mamar mesmo. 


O mais importante é o sorriso lindo que seu bebê exibirá e que a alegria dele será a sua!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Os primeiros dias do bebê

A ansiedade era grande, mas foi tudo bem com o parto e agora seu tesouro já está em casa. É hora de tomar alguns cuidados e também algumas providências.
Nos primeiros dias os cuidados serão os mesmos, amamentar, dar banho, cuidar do umbigo, colocar para dormir. Peça ajuda, pois o seu descanso é muito importante, é necessário dormir para recarregar as energias e cuidar bem do bebê. Dispense algumas visitas nos primeiros dias, todos compreenderão. 


Providências: Lembre-se de fazer o registro de nascimento nos primeiros dias, lembrando de levar seus documentos e do pai e o papel que a maternidade fornece, alguns cartórios pedem ainda comprovante de endereço. Também é preciso fazer o teste do pezinho e levar no pediatra, por volta de 7 dias após o nascimento. Escolha um bom pediatra, de preferência próximo a sua casa, pois no período da licença é provável que em alguns momentos você precise se virar sozinha e se for pertinho melhor ainda. Aos 30 dias é hora de levar ao odontopediatra para as primeiras orientações sobre higiene.

Cuidados com bebê: já falei sobre o banho em outro post, mas também é importante limpar bem o coto umbilical com álcool 70 em todas as trocas de fralda, mas limpe sem medo, o bebê não sente dor, apenas o desconforto do álcool geladinho. Se tiver dúvidas pergunte para as enfermeiras na maternidade ou assista os videos do youtube. Não é necessário colocar faixas sobre o umbigo. Por volta de dez dias ou mais o umbigo cairá, mas não se preocupe se demorar um pouquinho mais.



É comum que alguns bebês tenham cólicas nos três primeiros meses, então é bom que a mãe preste atenção na própria alimentação, continuando os hábitos do período da gravidez e evitando alimentos que poderão provocar as cólicas. 

Tomando esses cuidados é possível evitar muitos problemas, além disso é importante confiar no pediatra e seguir à risca todas as recomendações. 

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Ansiedade e muitas lágrimas

Quanta ansiedade antecede a chegada de um bebê! São nove meses de mudanças, dúvidas, preocupações e...muitas lágrimas. É um tal de chorar sem motivo aparente a toda hora que quem convive com uma grávida precisa de um caminhão de paciência, amor e compreensão. Há momentos de imensa alegria, mas há momentos de total incompreensão do que realmente está acontecendo. Os hormônios então, estão a mil e despencarão assim que o bebê nascer, provocando outra revolução interna. 

Não dá para evitar as lágrimas e a ansiedade, mas é importante controlar um pouco, respirar fundo, pensar na alegria que é ter um filho e explicar para seu bebê que as lágrimas são de emoção, sensibilidade, alegria e que ele (a) é muito bem-vindo (a), ou se forem de tristeza, explique que já vai passar e ficará tudo bem. Lembro de ter chorado dezenas de vezes durante a gravidez, mas também lembro da preocupação em explicar tudinho para aquele pequeno ser o que estava acontecendo, antes mesmo de saber se seria menino ou menina. Falava da minha alegria com a chegada dele (a) e explicava que ele (a) já era muito amado (a). 

Além de conversar com o bebê, uma maneira de reduzir a ansiedade é ir cuidando dos preparativos, aos poucos, com calma e muito amor. Não se preocupe em organizar um mega enxoval ou um quarto de bebê dos sonhos, preocupe-se em criar um ambiente tranquilo, de muito amor. Vá preparando a casa, comunicando as pessoas importantes, converse com outras grávidas ou mães de bebês, pesquise sobre assuntos que tiver dúvida, compre revistas sobre bebês e, se gostar de escrever, faça um diário, escreva um blog ou se gostar de artesanato faça você mesma as coisinhas para seu bebê. Ocupe-se!

Outra questão importante são as preocupações no trabalho. É hora de, na medida do possível, mudar o foco. Se antes você gastava todas as suas energias no trabalho, precisa reduzir as preocupações e concentrar-se no bebê. Isso não significa ser relapsa, apenas deixe as preocupações no trabalho, ao chegar em casa concentre-se no seu bem-estar e na organização da chegada do bebê.

Você terá inúmeras coisas para planejar, preparar, comprar, exames para agendar, cuidar da alimentação, mexer-se! Isso fará o tempo passar mais depressa e as lágrimas aparecerem só em momentos de emoção e alegria. Além do mais, logo, logo você terá seu bebê nos braços e nada mais terá tanta importância ou urgência. 

domingo, 3 de junho de 2012

Amamentando


É incontestável que o leite materno é o melhor alimento para o bebê desde o nascimento, trará defesa contra doenças, deixará o bebê mais forte, inteligente e feliz, além de ajudar a desenvolver os músculos e ossos da face. No entanto, muitas mães desistem de amamentar por problemas que enfrentam nas primeiras semanas. 

Quando o bebê nasce, ainda na fase do colostro, não sabe ainda como mamar e, a mãe inexperiente só quer que seu filho se alimente bem. No entanto, se a pega não for correta o bebê fará o seio da mãe de chupeta, o que provocará fissuras e dores. Para evitar esses problemas é importante ter alguns cuidados, cuidados esses que só tive conhecimento depois de sofrer muito, inclusive com a temida mastite.
O primeiro passo para uma amamentação adequada inicia com a posição correta da mãe ao amamentar, sentada confortavelmente, apoiada com almofadas e tranquila, pois a ansiedade só atrapalha. Ao oferecer o seio para o bebê é importante observar:


Se ainda assim surgirem fissuras nos seios, é importante não desistir, mesmo que as dores incomodem. Alguns médicos receitam cremes à base de lanolina, eu usei o "massê-amamentação" e ajudou, mas há o inconveniente de limpar o seio a cada mamada, e aí dói novamente. 

Mais tarde descobri as conchas de amamentação, e essas sim foram a salvação, pois além de recolherem o excesso de leite através da pressão exercida, também mantêm o bico do seio com ventilação e longe de fungos e bactérias, ainda protegem o atrito com o sutiã, melhorando as fissuras. Há várias marcas no mercado, não necessariamente uma melhor, vai depender a que se ajusta melhor ao seio.  

                                         
Nos três primeiros  meses, o organismo produz mais leite, porque ainda está se adaptando às necessidades do bebê, com o tempo o corpo aprenderá a produzir somente o necessário. Essa produção de leite além do necessário pode provocar outro problema, a mastite, que é o empedramento do leite, provocando febre alta e dores. O bebê deve mamar até o finalzinho, pois a gordurinha do final é muito importante para ele, mas isso vai acontecendo naturalmente, aos poucos, conforme o bebê vai aprendendo a mamar. Para evitar a mastite é importante retirar o excesso de leite produzido, pode ser manualmente ou com bomba manual ou elétrica.
                                           
Para quem está se perguntando se vale a pena comprar esses itens, acredite, é bem melhor do que enfrentar as dores ou a febre altíssima de uma mastite, sem contar com os medicamentos que precisará tomar.  

Independente dos problemas que possam surgir, não desista, é importante para o desenvolvimento do seu bebê e pode, sim, ser muito prazeroso, sem dores. Os resultados você verá ao longo do crescimento do bebê e realmente fará toda a diferença! Lembre-se ainda, se não puder mesmo amamentar, converse com seu obstetra e também com o pediatra, que indicará a melhor fórmula para o bebê. 
                                      

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Mala para a maternidade

Fiquei lembrando hoje de quantas vezes revisei a mala para a maternidade antes de chegar o grande dia. Mesmo com dia marcado e a segurança de que não haveria contratempos, arrumei e desarrumei a mala para a maternidade muitas vezes. Ouvi muitas opiniões, li dezenas de sites com listas sobre o que levar, e só me acalmei um dia antes.


O grande estalo veio quando eu estava lendo a lista de uma maternidade porque na hora me lembrei de olhar o site da maternidade onde eu teria o bebê. Bingo! Encontrei a lista ideal para revisar o que já estava na mala, mas se no site da sua maternidade não tiver uma lista você pode aproveitar a minha lista:

Itens essenciais para ter à mão: guia de internação, telefones de parentes e amigos próximos, talão de cheque, dinheiro, cartão, carteirinha de saúde, documentos pessoais.

Sua mala: 1 robe, 2 ou 3 camisolas abertos na frente, chinelos, 3 sutiãs para amamentar, 1 caixa de absorvente para seios, 5 calcinhas altas e confortáveis, 2 pares de meias, sacos plásticos para roupa suja, pacote de absorvente noturno, necessaire com seus itens de higiene.

Mala do bebê: 1 pacote de fraldas descartáveis (no site indicava tamanho P, mas eu levei RN e deu certinho); 1 creme para assaduras, algodão, cotonete. As roupinhas eu adaptei, calculando duas trocas por dia e observando a temperatura, 1 cueiro, 1 manta, 1 pente ou escovinha, 2 toalhas,  3 pares de meias, levei só um sapatinho para combinar com a saída de maternidade, as demais roupas tinham pezinhos. Opte por roupinhas fáceis de vestir porque o bebê ainda é pequenino e você pode ter alguma dificuldade no início. 

Não esqueça ainda: máquina fotográfica, maquiagem para sair bem bonita nas fotos, note ou tablet, revistas, bebê-conforto já instalado no carro.

Bem, acho que é isso! Outra dica legal é separar as trocas de roupas do bebê em saquinhos. Você pode encontrá-los prontos ou, se ainda tiver um tempinho, pode confeccioná-los em tecido. Eu deixei para a última hora e acabei comprando aqueles saquinhos de lavar roupas delicadas na máquina, gostei porque a roupa fica arejada e dá para ver o que tem dentro:



Rotina e organização da casa após ter um bebê

Em outro post falei sobre rotina e a importância dela para os bebês, mesmo sendo pequeno ele vai aprendendo a viver com organização e para a mãe também é uma forma de viver de forma mais organizada, sobrando ainda um tempinho livre para fazer as coisas que gosta. É importante ainda ter um pouco de flexibilidade, considere que nos finais de semana, por exemplo, há a possibilidade de mudar um pouco os hábitos, ou até fazer uma viagem, mas isso não será problema para o bebê, pois no dia seguinte tudo poderá voltar ao normal.


Em relação à organização já se sabe que a vida não será mais a mesma depois da chegada do bebê, nem por isso precisa virar de cabeça para baixo. Se você, como eu, não possui uma empregada doméstica diariamente, precisará de paciência e um método de organização para as coisas irem se adequando. Se tiver uma empregada diária, também poderá fazer um planejamento de organização para tornar sua vida mais fácil e curtir ainda mais seu bebê.

Com um bebê em casa, sua rotina de organização poderá ficar um pouco comprometida, mas a limpeza da casa precisa ser ainda mais rígida. Se sua casa era uma bagunça antes do bebê, saiba que há métodos para mudar a situação, só exige um pequeno tempo para organizar tudo e colocar no papel. Pesquisei alguns métodos de organização da casa e descobri o método flyday, que cria uma rotina diária que favorecerá tanto sua vida como a do bebê. Pense que você não vai querer ficar todos os dias fazendo faxina geral tendo um bebê lindo para cuidar e dar atenção, então é preciso dividir o tempo da semana e se organizar.

Esta semana testei o método e foi maravilhoso. Antes eu tinha duas opções, ou começava a segunda-feira sem saber por onde começar as tarefas diárias de limpeza e organização, ou ignorava a maioria delas e deixava quase tudo para o sábado, quando a faxineira vem. As duas opções são horríveis pois ou me desgastava com os serviços domésticos ou me irritava com a bagunça da casa. Então com o método, que é simples, dividi as tarefas semanais pelos dias da semana, hoje já é quinta-feira, a casa está organizada, limpa e eu estou com o dobro do tempo livre durante o dia. Para quem quiser conhecer um pouco mais sobre o método tem um blog bem legal que também dá outras dicas sobre organização: