quinta-feira, 31 de maio de 2012

Mala para a maternidade

Fiquei lembrando hoje de quantas vezes revisei a mala para a maternidade antes de chegar o grande dia. Mesmo com dia marcado e a segurança de que não haveria contratempos, arrumei e desarrumei a mala para a maternidade muitas vezes. Ouvi muitas opiniões, li dezenas de sites com listas sobre o que levar, e só me acalmei um dia antes.


O grande estalo veio quando eu estava lendo a lista de uma maternidade porque na hora me lembrei de olhar o site da maternidade onde eu teria o bebê. Bingo! Encontrei a lista ideal para revisar o que já estava na mala, mas se no site da sua maternidade não tiver uma lista você pode aproveitar a minha lista:

Itens essenciais para ter à mão: guia de internação, telefones de parentes e amigos próximos, talão de cheque, dinheiro, cartão, carteirinha de saúde, documentos pessoais.

Sua mala: 1 robe, 2 ou 3 camisolas abertos na frente, chinelos, 3 sutiãs para amamentar, 1 caixa de absorvente para seios, 5 calcinhas altas e confortáveis, 2 pares de meias, sacos plásticos para roupa suja, pacote de absorvente noturno, necessaire com seus itens de higiene.

Mala do bebê: 1 pacote de fraldas descartáveis (no site indicava tamanho P, mas eu levei RN e deu certinho); 1 creme para assaduras, algodão, cotonete. As roupinhas eu adaptei, calculando duas trocas por dia e observando a temperatura, 1 cueiro, 1 manta, 1 pente ou escovinha, 2 toalhas,  3 pares de meias, levei só um sapatinho para combinar com a saída de maternidade, as demais roupas tinham pezinhos. Opte por roupinhas fáceis de vestir porque o bebê ainda é pequenino e você pode ter alguma dificuldade no início. 

Não esqueça ainda: máquina fotográfica, maquiagem para sair bem bonita nas fotos, note ou tablet, revistas, bebê-conforto já instalado no carro.

Bem, acho que é isso! Outra dica legal é separar as trocas de roupas do bebê em saquinhos. Você pode encontrá-los prontos ou, se ainda tiver um tempinho, pode confeccioná-los em tecido. Eu deixei para a última hora e acabei comprando aqueles saquinhos de lavar roupas delicadas na máquina, gostei porque a roupa fica arejada e dá para ver o que tem dentro:



Rotina e organização da casa após ter um bebê

Em outro post falei sobre rotina e a importância dela para os bebês, mesmo sendo pequeno ele vai aprendendo a viver com organização e para a mãe também é uma forma de viver de forma mais organizada, sobrando ainda um tempinho livre para fazer as coisas que gosta. É importante ainda ter um pouco de flexibilidade, considere que nos finais de semana, por exemplo, há a possibilidade de mudar um pouco os hábitos, ou até fazer uma viagem, mas isso não será problema para o bebê, pois no dia seguinte tudo poderá voltar ao normal.


Em relação à organização já se sabe que a vida não será mais a mesma depois da chegada do bebê, nem por isso precisa virar de cabeça para baixo. Se você, como eu, não possui uma empregada doméstica diariamente, precisará de paciência e um método de organização para as coisas irem se adequando. Se tiver uma empregada diária, também poderá fazer um planejamento de organização para tornar sua vida mais fácil e curtir ainda mais seu bebê.

Com um bebê em casa, sua rotina de organização poderá ficar um pouco comprometida, mas a limpeza da casa precisa ser ainda mais rígida. Se sua casa era uma bagunça antes do bebê, saiba que há métodos para mudar a situação, só exige um pequeno tempo para organizar tudo e colocar no papel. Pesquisei alguns métodos de organização da casa e descobri o método flyday, que cria uma rotina diária que favorecerá tanto sua vida como a do bebê. Pense que você não vai querer ficar todos os dias fazendo faxina geral tendo um bebê lindo para cuidar e dar atenção, então é preciso dividir o tempo da semana e se organizar.

Esta semana testei o método e foi maravilhoso. Antes eu tinha duas opções, ou começava a segunda-feira sem saber por onde começar as tarefas diárias de limpeza e organização, ou ignorava a maioria delas e deixava quase tudo para o sábado, quando a faxineira vem. As duas opções são horríveis pois ou me desgastava com os serviços domésticos ou me irritava com a bagunça da casa. Então com o método, que é simples, dividi as tarefas semanais pelos dias da semana, hoje já é quinta-feira, a casa está organizada, limpa e eu estou com o dobro do tempo livre durante o dia. Para quem quiser conhecer um pouco mais sobre o método tem um blog bem legal que também dá outras dicas sobre organização: 

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O soninho da mamãe

A chegada de um bebê em casa é um evento muito importante, trará profundas transformações na vida da família e, principalmente na vida da mamãe. Ao se tornar mãe toda a sua compreensão de vida, família, sociedade será modificada e você procurará viver cada momento intensamente!

Nos primeiros dias é praticamente impossível dormir, ainda na maternidade o sono da mãe, se existir, será muito leve. De repente você se vê olhando para o bebê a todo momento, como se os olhos quisessem comprovar o que o coração já sente e Deus já permitiu, sim, VIDA! Ao chegar em casa, rotina modificada, cansaço aparente, mas energia de sobra para você ainda não querer dormir. Passei uns três dias meio que em outro mundo, sem dormir, até de fato "cair a ficha", como dizem. 

Passados os primeiros dias é importante começar a se preocupar com o sono, com a alimentação e hidratação do corpo. É muito importante alimentar-se de maneira correta, beber muita água e dormir. Se você não consegue ainda deixar outra pessoa tomando conta do bebê enquanto dorme, aproveite os horários do sono do bebê e tire pelo menos um cochilo, é bom para você, é bom para a amamentação, é bom para seu bebê. Talvez demore uns dias para conseguir, mas precisa descansar!


Após os primeiros meses passei a me sentir tão disposta que fazia mil coisas durante o sono da Luiza, resultado: o leite começou a diminuir. O alerta vermelho me fez beber muita água, cerca de dois, três litros por dia e retomar a rotina do soninho da tarde. Não sei exatamente o que ocorre, mas após retomar esta rotina de mais água e mais sono, o leite voltou a normalizar, mesmo após a inclusão dos alimentos.

É claro que esse tempo passa muito rápido, mas qualidade é fundamental. Aproveite cada momento para fazer um carinho, brincar com o bebê, beijar, abraçar... mas também cuide de você, durma bem, alimente-se bem e beba água. Se já tiver alguém para ficar com o bebê de vez em quando, retome alguns hábitos que a farão mais feliz ainda: vá ao salão, arrume o cabelo e as unhas, compre roupas novas, maquie-se! 

O bebê já chegou? Agora começa a fase mais bonita da sua vida. Aproveite!

Amamos rotina!

Você pode ser uma daquelas pessoas que detesta rotina, mas pode acreditar, precisará dela quando tiver um bebê. Bebês amam rotina e o hábito de fazer as mesmas coisas, no mesmo horário e da mesma forma todos os dias vai facilitar muito a sua vida. Nos primeiros meses é um pouco mais difícil, você ainda está conhecendo os hábitos do bebê e ele está aprendendo a viver aqui fora, mas com o tempo as coisas vão se adequando.


Em outro post comentei que já na maternidade se iniciam os primeiros hábitos, acredite, isso foi fundamental para a rotina que temos hoje. Após dica de uma médica, ainda na maternidade, iniciamos um ritual de abrir as cortinas de manhã, deixar a luz natural entrar, falar em tom de voz normal, receber visitas, com horário definido para o banho e, à noite, ir reduzindo os sons e a luz. Claro que na maternidade haverá o barulho dos outros bebês, mas mesmo assim já é possível dar uma ideia de rotina para o bebê, mesmo sendo ainda tão pequenino.

Já em casa, continue os mesmos hábitos, mantendo um horário fixo para o banho, normalmente no fim do dia, mas isso vai depender das suas necessidades, da temperatura e das mamadas. Muitas mães e pais comentam que precisam acordar durante toda a madrugada em função das mamadas, no início é um pouco complicado porque o bebê e a mãe ainda estão se conhecendo e se adaptando. Ainda assim, se houver uma rotina de hábitos, é bem provável que até os horários das mamadas comecem a se repetir. Evite ainda ir toda hora até o quarto do bebê fora dos horários das mamadas, ele vai sentir a sua presença e o sono será mais instável, se não aguentar espie pela babá eletrônica ou da porta do quarto se está tudo bem. 

Anote os horários das mamadas e você vai perceber com o tempo uma certa tendência. A Luiza só acordou de madrugada no primeiro mês, exatamente às 2 e às  5 horas da manhã, a partir do segundo mês começou a dormir a noite toda e acordava às 6h. Sorte? Acredito mais na rotina. Até mesmo a questão do colo é tranquila, é claro que seu bebê vai querer o seu colinho, mas você não precisa ficar com ele o dia todo no colo, senão você não fará nada e ele ainda ficará manhoso. Divida o tempo entre o colo, o berço, o carrinho e o bebê se adaptará bem em qualquer lugar.


Passado o primeiro mês, com as consultas no pediatra e as vacinas em dia, iniciei uma rotina de passeios, ainda hoje saímos bastante, o que faz com que ela não estranhe pessoas e lugares. Também viajamos de carro pelo menos uma vez por mês, cerca de 600 km até a casa da avó, e é bem tranquilo, ela dorme direto, só acorda quando paramos o carro para abastecer na metade do caminho, mama e dorme novamente. Também já viajamos de avião, já ficamos em hotel, tudo sem nenhum tipo de problema. Algumas vezes há algumas alterações no sono quando a rotina muda, mas nada preocupante, não precisa ser escrava da rotina, mas ela ajuda, e muito, na organização da sua nova vida.

Todos perguntam como a Luiza é tão calminha e dizem: "Que sorte você teve". É claro que me acho bem sortuda, mas também confio muito no pediatra e na rotina. Aliás, a palavra do pediatra é lei, mais do que das amigas, da avó e de qualquer pessoa, essa relação de confiança é muito importante.

Por fim, um mês antes de trabalhar iniciei uma rotina de horários mais definidos. para as mamadas, para as frutas, o soninho, brincar, almoçar, tomar o suco, os remédios, trocas de fraldas, escovar os dentes e o banho. Na próxima semana volto a trabalhar e a avó ficará com a Luiza, mas ela já vem seguindo exatamente os mesmos horários há um mês e, mesmo que eventualmente precise de alguma adaptação, a rotina já está me ajudando. Pesquisei em vários sites e não encontrei exatamente um modelo de rotina, então fiz sozinha. Considerei inicialmente a orientação do pediatra para o horário do almoço, da fruta, do suco e dos remédios, então acrescentei o horário das mamadas, do soninho da manhã e da tarde, o restante das atividades se encaixou facilmente. 

segunda-feira, 28 de maio de 2012

A cara do pai

A vida é muito injusta mesmo! 


Nós, mães, carregamos por nove meses, sentimos todos os desconfortos de uma gravidez, um turbilhão de sentimentos, medos, inseguranças, dor...

O bebê nasce e, adivinha só, é a cara do pai, escrito. Quantas mulheres ouvem inúmeras vezes a mesma frase: "Ele (a) não se parece nada com você, é a cara do pai". E ainda complementam: "Como é lindo (a)! E pior, gente que nem te conhece direito, quanta insensibilidade! 


Brincadeiras à parte, nada disso importa. Não reclamo, até faço piada sobre...no fundo há coisas que só a mãe saberá, então não fará diferença com quem se parece. 


Você passará meses grudadinha no seu pequeno ou pequena e ninguém terá vínculo maior que esse. O tempo vai passar e esse vínculo só aumentará. Ah! Pura verdade! Seu bebê olhará diferente para você - a mãe   - o amor emanado desse olhar será especial e maior, e só para você. Cada momento novo será curtido por você, ninguém mais saberá ou desfrutará desse prazer da mesma forma.



É uma total (inter)dependência, dele (a), sua, de ambos, em um mundo compreendido só por você e seu bebê. Horas de olhares, sorrisos, cumplicidade, alegrias...

Então, que venham muitos: "É a cara do pai", são bem-vindas todas as frases, comparações, elogios...mas lá no fundo, você saberá...

Lista de enxoval - Quarto e opcionais

Continuando com mais alguns itens de enxoval, seguem os itens para o quarto, e é uma delícia providenciar cada detalhe. Quando se fala de quarto é bom lembrar que, mesmo que nossa vontade seja parar o tempo, nossos pequenos crescem muito rápido e logo logo será a hora de repensar os espaços e móveis para o quarto. Assim, não é aconselhável gastar em demasia em itens que você utilizará por pouco tempo e que terá que substituir.

Para o quarto:
- Berço: É importante observar o tamanho do quarto antes de comprar o berço, prestar atenção na qualidade do berço e, principalmente na segurança. Há medidas padrão, principalmente na distância entre as varetas, que não deve ultrapassar 5, 6 cm no máximo. Se comprar pela internet visite uma loja antes de comprar e veja o modelo desejado para não ter surpresas depois. A maioria dos modelos pode alterar a altura para quando o bebê for maior, e alguns ainda se transformam em mini-cama.


- Carrinho: Trará mais mobilidade para a mamãe e para o bebê, dentro e fora de casa. Observe as regulagens nas posições para poder usá-lo também quando o bebê for maior. Faça o teste do peso e tamanho, verifique se cabe no seu carro, se é leve e fácil de dobrar. Se a intenção for comprar um carrinho de passeio, mais leve, no futuro, não vale a pena investir tanto em carrinho que você utilizará menos de um ano. 


- Colchão: Observe as medidas do berço escolhido, a qualidade da espuma e compre lençóis do mesmo tamanho.


- Protetor de colchão: Não é caro e protege o colchão para não molhar ou sujar.


- Lixeira para fraldas: Não precisa ser muito grande nem sofisticada, dê preferência para os modelos com pedal e deixe-a próxima ao trocador.


Opcionais:

- Lembrancinha da maternidade para as visitas: Eu estava tão cansada no final da gravidez que passou batido, também não achei muito importante, preferi fotografar as visitas na maternidade. Se optar por comprá-las é bom que seja com um pouco de antecedência, pois no final da gravidez não é o melhor momento para se preocupar com esse tipo de detalhe, e se for confeccioná-las é preciso de mais tempo ainda.


- Enfeite de porta: Não comprei para levar na maternidade, mas já em casa ganhei um lindo e o quartinho ficou mais bonito.


- Almofada para amamentar: São bem legais, mas também podem ser utilizadas almofadas normais.


- Kit de berço: E composto normalmente de edredom, trocador, saias de berço e almofadas laterais. Eu optei em não comprar o kit todo, por conta de opiniões de médicos que eu li, então confeccionei três jogos de cama para o início e depois comprei dois cobertores. Também fiz três mantinhas de soft, são quentinhas, práticas para levar na bolsa ou no carrinho e não ocupam muito espaço.



- Cortina: Dependerá do seu espaço, minha mãe fez uma em cetim para não precisar de black-out e combinou com uma capa de poltrona na mesma cor.



- Garrafa térmica para manter a água aquecida nas trocas: Normalmente vem nos kits de higiene, no meu caso dispensei porque a água esfriava muito rápido, acabei utilizando um potinho e pegando da torneira elétrica. 


- Travesseiros ou rolinhos: Travesseiros são recomendados somente após um ano de idade, mas os rolinhos eu fiz de espuma para o bebê não rolar.


- Talco: Não é recomendável nas trocas, pois podem provocar assaduras, mas pode ser utilizado na roupa ou em outras regiões do corpo, após o banho, se o bebê não for alérgico.


- Saboneteira: Às vezes vem com o kit de higiene, mas você também pode encontrar potinhos avulsos para vários usos: algodão, cotonete, sabonete, etc.

- Lavanda, colônia e condicionador: Dispensáveis no início, somente quando o bebê for maior.

- Termômetro para banheira: É legal no início para ter mais segurança na temperatura ideal do banho, com o tempo você sabe só de colocar a mão na água.


- Chupetas, prendedores de chupetas e esterilizador de chupetas: Converse com o pediatra e com o odontopediatra sobre o uso de chupetas, eu optei em não utilizar e não me arrependo. Também li que alguns bebês largam o peito quando pegam a chupeta e a dentista falou que pode prejudicar a arcada dentária. Depois também será complicado largar.

- Babá eletrônica: Não é indispensável, mas para uma mãe de primeira viagem traz mais segurança. Evita que você fique levantando toda hora para dar uma espiadinha no bebê. Se puder opte pelos modelos com áudio e vídeo, com o tempo você pode ligar só o áudio, mas no início você vai querer ver.


- Porta-acessórios ou cesta farmácia: O pediatra recomendará algumas vitaminas e até alguns remedinhos, basta manter uma cestinha ou necessaire com os medicamentos sempre organizados.

- Sling ou canguru: O sling é mais indicado para os pequeninos, eu comprei um canguru quando a Luiza estava com três meses porque o peso dela já era de quatro meses. Optei por um modelo bem acolchoado e material de qualidade, resistente e macio, o que nos deu mais mobilidade e a opção de deixar as mãos livres. É bom tomar cuidado com alguns modelos em que o tecido é muito fininho, sem espuma, que podem prejudicar a estrutura frágil do bebê. Acabo utilizando bastante porque infelizmente não há acessibilidade na maioria dos estabelecimentos da cidade e é legal porque concentra o peso do bebê no centro das costas.









domingo, 27 de maio de 2012

Lista de enxoval - banho e acessórios

Continuando com os itens do enxoval...agora com os itens de banho. Vale lembrar que a necessidade de cada bebê pode variar, de qualquer forma mães de primeira viagem, como eu, podem ter uma ideia, vamos lá:

- 4 toalhas de banho com capuz : No início as toalhas fraldas são melhores, nem é necessário ser com capuz, eu comprei 4, mas logo precisei providenciar mais. Acredito que 6 é um bom número, tendo o cuidado de não comprar toalhas muito pequenas para utilizar por mais tempo. Também podem ser confeccionadas, é bem simples para quem costura, saem bem mais em conta.

- Sabonete e xampu neutros: duram bastante tempo, são itens que normalmente você ganha no chá de fraldas, mas se você comprar usará com certeza.

- Esponja macia para o banho do bebê: Não comprei, mas fica a critério de cada mãe, acho importante o toque das mãos, mas quando ela estiver maiorzinha vou usar, já que ganhei um kit lindo de banho.

- Pomadas para assaduras : Importante, mas se o bebê mamar no peito, praticamente não terá assaduras. Bom lembrar que o uso excessivo dos lenços umedecidos também provoca assaduras. 

- Óleo para bebê: Comprei para fazer shantala, os bebês adoram. No programa Show de bebê, do Bem Simples, sempre tem uma aulinha de shantala e yoga-baby, recomendo!

- Hastes flexíveis de algodão – No início, para a limpeza do umbigo, são utilizadas em todas as trocas.

- Frasco de álcool 70% para limpeza do umbigo – Tão importante que algumas maternidades distribuem um kit com um frasco e outros itens importantes.

- Jogo de escova e pente – Sim, principalmente se o bebê nascer cabeludo. Lembrar-se de levar para a maternidade.

Aproveitando, segue uma lista de acessórios para a chegada do seu pequeno (a):

- 6 cabides: Se for utilizar somente uma cômoda ou gavetas do roupeiro, não será necessário.

- Cortador ou tesourinha de pontas arredondadas: No início a tesourinha é mais adequada, a unha do bebê é bem pequena e fininha, acho o cortador é mais difícil de usar. Normalmente compra-se um kit com os dois.

- Termômetro para medir a temperatura do bebê: Algumas maternidades distribuem no kit, mas eu prefiro usar um digital, é mais rápido na hora de verificar a temperatura.

- Trocador macio: Confeccionei com uma espuma macia, forrei com tecido e plástico para usar sobre a cômoda. Também comprei um segundo trocador fininho para usar nos passeios como forro para as trocas, pode ser dobrado e carregado na bolsa.

- Banheira: a critério, há diversos modelos no mercado, antes de comprar pense no espaço que você dispõe. Com o tempo precisei de uma segunda banheira para deixar na casa da avó. Ver post sobre o banho do bebê.

- Prato adequado para papinhas e jogo de talheres para bebê: Só mais adiante, lá pelos 5 ou 6 meses, conforme orientação do pediatra.

No próximo post itens para o quarto e opcionais.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Lista de enxoval comentada - passeio e higiene

Ao pesquisar listas de enxoval para o bebê na internet, ou ainda, ao pegar uma lista nas lojas, as dúvidas só aumentam, há itens desnecessários que não serão usados, há quantidades exageradas de alguns, reduzidas de outras e itens que só serão utilizados mais adiante. Enfim, é o mercado que descobriu há tempos um nicho bem lucrativo. Pesquisei uma lista pronta de internet para fazer alguns comentários do que usei e as quantidades necessárias. Outras sugestões e comentários são bem-vindos!

Passeio e higiene:

- 12 fraldas de pano (pacote) : Confeccionei umas 4 e usei pouco, mas uma colega que teve menino comentou que usou bastante, porque o xixi de menino pode trazer algumas surpresas, jatos inesperados, e uma fralda de pano por perto é bem-vinda.

- 6 fraldinhas de boca : Confeccionei duas dúzias e não me arrependi, principalmente quando começam as papinhas, e quando são lavadas é sempre bom ter algumas de reserva. Também deixei algumas na bolsa, no carrinho e outras na casa da avó.

- 8 pacotes de fraldas descartáveis RN/P - Acho exagero, vai depender muito do tamanho do bebê, no último ultrassom dá para se ter uma ideia.  Eu utilizei dois pacotes RN e depois passei a usar P por pelo menos um mês. Não aconselho comprar com muita antecedência ou em grande quantidade, principalmente nos tamanhos posteriores, porque as fraldas descartáveis têm prazo de validade, e as fitas adesivas vão perdendo a capacidade de colar.

- 2 pacotes de algodão – No início você utilizará algodão ou gaze em todas as trocas de fralda, então você precisará bastante. Eu usei ambos, a gaze e o algodão bola.

- 4 mamadeiras- Se o bebê mamar no peito você não vai utilizar, então não é necessário sair comprando um estoque de mamadeiras, assim como também o kit de escovas para limpeza das mamadeiras. Se conseguir amamentar no peito você só vai precisar de mamadeiras bem mais adiante.

- Cadeirinha de bebê para transporte no carro- Esse item é bem importante e pode ser comprado o carrinho já com o bebê-conforto, sairá mais barato. Se conhecer alguém que teve bebê poderá pedir emprestado ou comprar usado, já que com o tempo o tamanho do bebê exigirá outros modelos de cadeirinha e mesmo que não use no carro, o bebê-conforto é muito prático para várias ocasiões, o bebê já deve sair da maternidade na cadeirinha. Importante: não é necessário comprar a base do bebê-conforto, ele pode ser preso diretamente ao banco do carro. A cadeirinha não é dos itens mais baratos, então antes de sair comprando o modelo de última geração pense que após 13 kg vai precisar de outra, e pode apostar que esse peso é alcançado rapidinho. E não esqueça de verificar a colocação no carro com antecedência, há vídeos no youtube como esse: 

- Caixas de lenços umedecidos- no início é recomendável apenas o algodão para as trocas de fralda, até mesmo para evitar alergias e também pela temperatura do lenço. Com o tempo você poderá utilizá-los, mas o ideal é que o uso seja limitado aos passeios fora de casa, o perfume pode irritar a pele do bebê, embora sejam bem práticos.
- Bolsas- a maioria das listas sugere duas bolsas, uma maior e outra menor. Eu optei em não investir muito em bolsa de bebê no início e não me arrependo, o tempo passa muito rápido e com o bebê mais crescido não há necessidade de carregar tantos itens, assim é possível investir em uma bolsa que atenda também às necessidades da mãe.

Esses itens podem ser providenciados com antecedência, o que deixará a mãe mais tranquila, trazendo um pouco da sensação de que está tudo certo para o nascimento. No próximo post comentarei os itens para a hora do banho.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O banho do bebê

De repente você se vê em casa, ainda cansada pelas últimas emoções do nascimento do seu filho, e precisa trocar, amamentar e ainda dar banho naquele ser tão pequenino. No início não é tarefa das mais fáceis, mas com ajuda e cuidado você vai ganhando prática, até conseguir fazer essa tarefa sozinha. Falo em ajuda, porque a mulher que passou por um parto, natural ou não, vai precisar de ajuda, mesmo achando que pode fazer tudo sozinha. 

Ainda na maternidade o bebê toma os primeiros banhos e as enfermeiras costumam dar as primeiras orientações aos pais, é incrível como elas têm habilidade e os bebês praticamente não choram. Olhando parece fácil, mas no início você terá dificuldades, principalmente para segurar o bebê, há ainda o cuidado com o umbigo, com o pescoço, com a cabeça, enfim, é bem delicado. 


Ao escolher a banheira é importante pensar na segurança e no bem-estar do bebê, mas também é importante que a mãe fique segura. Eu optei pelo balde desde o primeiro dia, parece complicado no início, mas logo vem a certeza de que é a melhor opção para o bebê. Até hoje o único choro que ouvi na hora do banho foi na hora de sair do balde ou de vestir a roupa, a alegria do banho é imediata, sem choradeira. 


 

Essa banheira da foto é da Sanremo, comprei na Americanas por R$39,00, é uma imitação da Tummy Tub, mas o plástico é bem resistente, não escorrega e é bem espaçosa. A Luiza está com 6 meses e ainda uso o balde, pelo menos enquanto ela não fica sentada. É possível encontrar diversos modelos de balde, o importante é que o plástico seja atóxico, resistente, não escorregue e que o balde não tenha vincos ou dobras internamente, para não machucar a pele sensível do bebê. 
Nos primeiros meses é necessário enrolar o bebê em uma toalha e iniciar o banho pela cabeça, bem como na banheira tradicional, e só depois da cabeça colocá-lo na banheira ou balde e lavar o corpo, se preferir pode manter a toalha para maior segurança. No início uma pessoa pode segurar e outra dar o banho, mas assim que o bebê sustentar o pescoço já é possível dar banho sozinha, e aos poucos a cabeça pode ser lavada já na banheira. No youtube há vários vídeos demonstrando, basta digitar banho de balde, como no exemplo:
 


Nesse vídeo a mãe dá o banho em um recém-nascido sem ajuda. Mas você também pode encontrar vídeos de banho no bebê na banheira tradicional, defendo o balde porque o bem-estar do bebê é visível, beneficiando inclusive o soninho depois do banho. 
A ideia do banho de balde surgiu após estudos de médicos holandeses para minimizar o trauma do banho para os bebês, simulando o ambiente do útero. No site http://blog.clubedolar.com.br/uncategorized/banho-de-balde-para-os-bebes-e-melhor-do-que-o-de-banheira/, há mais algumas dicas importantes. Aos poucos a hora do banho passa a ser esperada pelo bebê e se torna um momento de alegria e relaxamento. 


quarta-feira, 23 de maio de 2012

Onde o bebê vai dormir?

O bebê chegou em casa e os palpites sobre onde ele irá dormir já começaram muito antes do nascimento. Muitas mães acabam cedendo à fragilidade do pequeno e o colocam para dormir no próprio quarto, justificando muitas vezes que estará próximo caso chore ou se precisar amamentar durante a noite. Acredite, o melhor é que ele durma no próprio quarto, mas se não conseguir ficar longe dele nos primeiros dias, o ideal é que essa rotina não ultrapasse o primeiro mês, pois depois vai ficando cada vez mais difícil levá-lo para o quarto. 

Ah! Sim, é normal você ficar acordando (caso consiga dormir) para ir se o bebê está respirando, kkkk! Parece absurdo, mas quase todas as mães fazem isso, mesmo após vários meses, não é loucura, apenas zelo! Com o tempo as preocupações vão se modificando, mas não acabam nunca. Para quem, como eu, optar em colocar o bebê para dormir no próprio quarto desde o primeiro dia, é recomendável que o quarto fique próximo ao seu, além disso, o uso de uma babá eletrônica trará mais segurança, embora você acorde com facilidade, ou nem durma. Eu utilizava a babá eletrônica com vídeo no início, não raras vezes ficava ali sem dormir olhando para a imagem da minha pequena dormindo, com o tempo fui desligando o vídeo e deixando só o áudio, caso ela chore ou acorde fora dos horários previstos. 


Outra coisa importante é a segurança do berço, para ficar mais segura opte por um berço que atenda os padrões de segurança, livre-se de objetos e brinquedos durante o sono do bebê e coloque-o para dormir de barriga para cima, é a posição mais aceita por médicos, embora ainda seja polêmico. Acredita-se que nessa posição a possibilidade de morte súbita é reduzida e este é um tema que apavora as mães. Para ficar mais tranquila observe o tempo após a amamentação, aguarde uns dez minutos com o bebê com a cabeça mais alta, mesmo que ele não arrote, pois é muito comum que ele adormeça durante a mamada, só então coloque-o no berço.

Para que o bebê tenha noites inteiras de sono é necessário estabelecer uma rotina e o primeiro passo começa ainda na maternidade. Durante o dia abra as cortinas, deixe que a luz chegue até o ambiente e, principalmente, não reduza o barulho a que já está acostumada, mantenha as conversas e o tom de voz normalmente, o bebê acostumará com essa movimentação e saberá que é dia. À noite, após o banho e a mamada, é a hora de reduzir os sons do ambiente, fechar as cortinas e reduzir a luz, o bebê já vai aprendendo que é hora de dormir e, com o tempo irá dormir durante toda a noite. Minha filha, a Luiza, acordava uma ou duas vezes durante a noite no primeiro mês e, já no início do segundo mês passou a dormir a noite toda. Ainda hoje, após seis meses, só acorda quando sonha ou quando a rotina diária é modificada por algum motivo. Em outro post comentarei sobre o banho do bebê, o qual considero um dos fatores para o sucesso do sono.

Como optei por não colocar protetor de berço, móbile, etc, no segundo mês em diante confeccionei uma espécie de rolinho, chamado no mercado de segura-neném, pois a Luiza girava 360 graus e acordava do outro lado do berço. Fiquei preocupada que ela pudesse se machucar e a solução foi perfeita, comprei um pedaço de espuma, enrolei as pontas em rolinho e colei com cola quente, forro com uma mantinha e ela não gira mais. 


terça-feira, 22 de maio de 2012

A volta ao trabalho

A volta não é fácil. Essa frase, dita por uma amiga ao telefone, me fez perceber que a licença-maternidade estava no fim. No momento dessa percepção é como se o mundo estivesse vindo abaixo, sem exageros, desabei. Não será mais possível acompanhar cada sorriso do seu bebê, cada novo movimento ou brincadeira, haverá apenas o momento da noite e dos finais de semana, que deverão ser vividos ainda mais intensamente. De nada servem os milhares de conselhos vindos de todo lado, o sentimento é só seu, e não é fácil mesmo. 

Então resta pesar os prós e contras e, para quem pode escolher, buscar a decisão mais acertada. Nem todas as mulheres tem opções nesse caso. No meu caso, resolvi colocar tudo na ponta do lápis, ou melhor, da calculadora. Comecei calculando a soma dos meus salários e benefícios, depois calculei o valor acumulado até meus 50 anos, e não foi difícil me convencer. Só de pensar o quanto o futuro da minha filha pode ser melhor se eu continuar trabalhando...nossa! 

O segundo passo foi pensar na carreira, apesar de que comparado à alegria de poder ficar ao lado do filho, a carreira se torna um fator pouco importante, pelo menos nesse momento. Ainda assim, supondo que você esteja pensando em abrir mão do seu trabalho, seu filho certamente crescerá, você estará sem emprego, sem experiência, sem dinheiro e sem profissão. Retomar uma carreira estacionada por anos é bem mais difícil do que ficar longe dos filhos durante o expediente, certamente você precisará de tempo para se qualificar e começar a procura.

Enfim, qualquer que seja a decisão, seu filho estará bem, com você, com a babá, com a avó ou na escolinha, e o amor e a cumplicidade entre vocês continuará existindo. Para as mães que vão trabalhar, é sempre bom lembrar: por mais difícil que seja, o que realmente importa é um bom motivo para voltar para casa!


quinta-feira, 17 de maio de 2012

Enxoval do bebê sem desperdícios

Creio que uma das maiores dúvidas que surgem logo após a confirmação da gravidez é a respeito do enxoval do bebê. Lembro que uma amiga me deu uma dica valiosa que fez toda a diferença: aguarde o sétimo mês. No começo não fez muito sentido, afinal de contas a ansiedade é grande e a vontade de sair comprando tudo então...nem se fala. Fato: você vai ganhar muita coisa! Dos avós, dos amigos, colegas de trabalho, no chá de fralda...então guarde seus esforços e seu dinheirinho para o momento certo e para os itens faltantes. Lembro que antes da Luiza nascer comprei apenas um conjuntinho RN, uma saída de maternidade e mais umas duas ou três pecinhas, pasmem, o resto veio nos presentes, inclusive algumas roupinhas de tamanhos maiores que ainda não foram usadas. A Luiza já está com seis meses e nesta fase os presentes já não chegam tão frequentemente. 


Mas se a vontade de começar a ver logo o enxoval do bebê, há itens que podem ser escolhidos ou até mesmo confeccionados já no início da gravidez sem gastar muito e sem correr o risco de não serem usados. São as fraldinhas de boca, os cueiros, toalhas cobertores, lençóis, que um pouquinho de criatividade saem por bem menos do que são vendidos nas lojas. Nas lojas de tecidos é possível encontrar pano de fralda para as toalhas-fraldas e para os paninhos de boca, normalmente divididos em quadrados, é só cortar no tamanho desejado, fazer a barrinha e um acabamento que pode ser em crochê ou outro de sua preferênciaa. Ficam lindos, são úteis e baratos. Aconselho fazer uma duas dúzias de paninhos de boca, assim não corre o risco de ficar sem nenhum quando colocar para lavar, e também é interessante comprar estampas ou cores diferentes para cada finalidade: para a boca, para acidentes nas trocas de fraldas... 


Já as toalhas-fraldas são perfeitas para quando o bebê ainda é pequenininho, são mais macias do que as de tecido atoalhado e secam rapidinho, podendo também ser decoradas com retalhos de tecidos, passamanaria, renda ou crochê. Da mesma forma é possível encontrar tecidos com estampas infantis para os cueiros e soft para as mantinhas, também podem ser arrematados com um bonito crochê ou uma rendinha. 


Esses itens podem chegar a vinte por cento do preço da loja se confeccionados em casa, mas se você não tiver dotes para isso, possivelmente conhecerá uma amiga ou  parente que possa lhe ajudar. Claro que você também pode encontrar tudo pronto, mas particularmente prefiro gastar mais nas fases seguintes, quando as roupinhas são melhor aproveitadas e os presentes mais raros. Conheço amigas que na empolgação compraram muita coisa, após o bebê completar um mês já estavam com sacolas cheias de roupas para doação e precisando comprar tudo novo...não é questão de avareza, mas o desperdício pode ser sim evitado. 

Nos próximos posts darei mais dicas sobre itens específicos e sobre o que levar para a maternidade. Bjs!

Bem-vindos!


Olho para trás e não acredito ainda...como cresceu! Cada minutinho ao lado de um bebê é único. Este blog surgiu para guardar minhas lembranças, mas também para compartilhar experiências como mãe de primeira viagem, muitas delas obtidas depois de inúmeras pesquisas no dr. Google. 


É um convite às mulheres que estão prestes a buscar esse sonho e às que já vivem esse sonho, de coração e alma, pois é maravilhoso. E também é um convite aos pais que compartilham desse sonho com suas companheiras, ou apenas com seus pequenos. 


Mais do que tudo, esse é um espaço para comentar, discordar, concordar, sugerir temas e trocar experiências, não há texto acabado nem opinião definitiva, mas sim muita vontade de acertar e fazer o melhor por nossos filhos! Grande Abraço!